Coletivo Brancaleone

quarta-feira, 8 de junho de 2011

A Velha Escola do Punk Rock

Sábado, dia 11 de junho é dia de engraxar os coturnos, vestir a jaqueta de couro, erguer o moicano e relembrar os “sons” de antigamente. Essa é a proposta da “Velha Escola do Punk Rock” , evento que vai acontecer  no Cidadão do Mundo em São Caetano do Sul, a partir das 21 horas.

O som será de vinyl e a discotecagem estará no comando do Luiz “Ratinho” e do Ariel, vocalista da banda Invasores de Cérebros. A escolha não foi à toa,  ambos tem uma longa história dentro do punk rock e conhecem muito punk rock.  “Virei DJ com apenas 13 anos de idade , freqüentando o 9. Modéstia a parte  fiz muitos punks darem jaquetadas no chão”, conta Ratinho. “A maior parte da minha história no Punk, passei discotecando pelas quebradas paulistanas, com vinil, gravador de rolo, fita cassete e mesmo com CDs, em aparelhos próprios ou em casas noturnas. Transformava qualquer salão ( creches, sociedades amigos de bairros, clubes de futebol amador, garagens de casas) em salões punks do dia pra noite”, afirma Ariel.

Tudo começou em picos como a Gruta, na Zona Norte, a igrejinha na Vila Amália – a missa acabava às 18:00 então tiravam os bancos e o altar para o som rolar – o Construção, na Vila Mazei – o melhor de todos na opinião do Ratinho – o Dinora, na Av. Casa Verde – um forno de padaria desativado -  entre outros, como o Templo do Rock no Pari, a One Way, no Tucuruvi, os sons no Mont Blanc e no Ácido Plástico em Santana.

Nessa época  rolavam os sons de fita. “Antigamente não existia banda tocando toda hora como agora e precisávamos criar condições para que o pessoal pudesse se reunir e escutar as novidades vindas de além mar. Escutávamos em princípio na casa de alguém que possuía os discos de Punk Rock, que eram raríssimos de se encontrar e por isso caros. Fazíamos cópias em fitas cassete e organizávamos sons de fitas em algum salão alugado pelas quebradas. No nosso pessoal, todos colaboravam com a organização do evento e tínhamos desde quem fazia os cartazes com visuais criados por nós, quem montava e ficava no bar, na portaria, etc.”, fala Ariel. “Também acontecia sempre de chegar algum Punk de algum lugar, com novidades fresquinhas gravadas em fitas.”, acrescenta Ratinho.

É este universo que será recriado no sábado, com o som apenas dos vinys tocando. “Tocar com vinyl, é como voltar nas raízes , voltar em um passado que deixou muitas saudades, ainda mais falando de punk rock, que os discos são super raros.”, afirma Ratinho.  “Acho legal a discotecagem em vinil porque resgata uma forma de se comunicar com paixão, tratando a música com certa dignidade, pois a frieza das mídias atuais não nos deixam sentir tudo o que um LP (por exemplo) tem a oferecer em termos de arte, que começa na capa com ilustrações fantásticas, passando por informações técnicas e preciosas sobre a história da banda sem contar que o som da agulha no vinil traz as frequências mais abertas, enquanto a digitalização das novas mídias as "chapam" um pouco.”, defende Ariel.

Nas pic ups irão rolar muitos clássicos, mas o pessoal também pode esperar por sons novos. “Sons que o pessoal pode esperar: aqueles que fazem voltar no tempo, aqueles que quando toco todo mundo agita. É incrível,
quando toco para o pessoal, dou o melhor de mim, apenas para ver todos curtindo e voltando no tempo 33 anos atrás” conta Ratinho.

“Podem ter certeza que tanto eu como o Ratinho, somos apaixonados por esse som que revolucionou, não só uma geração, mas toda a história do Rock em todo o planeta e quem for ao som do dia 11 não sairá de lá impune.”, afirma Ariel.

O som no dia 11/06 servirá para os “punks das antigas” relembrarem os velhos tempos e matarem a saudade, e para os punks da nova geração conhecerem um pouco mais do que é a história do movimento punk em SP. 

Um comentário:

  1. Lendo esse texto comecei a imaginar o barato que era correr atrás de material, esquematizar rolês e talz numa época que as fontes não era tão acessíveis quanto hoje, que qualquer busca no google rende muito material. E sem contar as reuniões na casa de um e outro para mostrar o novo som pra rapaziada...
    Sem dúvida sábado será sensacional.
    Até lá. \o/

    ResponderExcluir